As competências socioemocionais apresentam-se como uma das componentes principais conducentes a uma educação de qualidade, promovendo benefícios significativos no desenvolvimento e bem-estar dos alunos, na medida em que são potenciados comportamentos pró-sociais com repercussões nos resultados escolares.

As competências sociais e emocionais encontram-se em estreita correlação, uma vez que a vertente social potencia o espaço para a criação de relações positivas com os outros, sendo a gestão das emoções crucial nesta inter-relação.

O Programa de Treino de Competências Socioemocionais Criança a Ser cruza (em particular) duas áreas do conhecimento que se complementam, a Sociologia e a Psicologia. Trata-se de um programa de treino seletivo e dirigido a uma turma composta por crianças com características específicas de risco, mediante sinalização decorrente do rastreio universal a todos os alunos do 1º ano do 1º ciclo do ensino básico.

METODOLOGIA

O programa “Criança a Ser” integra três domínios de atuação: Competências Pessoais (Autoconceito, Autoestima, Potenciação da Autoestima); Competências Emocionais (Identificação, Reconhecimento, Gestão); Competências Sociais (Empatia, Estilos de comunicação e Gestão de conflitos).

O Programa tem uma mascote denominada TUBÍ e uma música “Criança a Ser“.

O programa é operacionalizado em 12 sessões, de duração até 60 minutos, em pequenos grupos da turma selecionada, quinzenalmente.

As sessões são organizadas de forma dinâmica e interativa, por forma a potenciar, de forma sistemática, o treino destas competências. São utilizadas as técnicas de role-playing, dramatização e diálogo.

Inicialmente, é apresentado o programa ao docente titular e distribuídos os consentimentos para serem entregues aos encarregados de educação. Posteriormente, são realizadas entrevistas individuais aos encarregados de educação com vista à apresentação do programa, bem como, à recolha de informação, previamente definida, sobre a criança. De seguida, iniciam-se as sessões com os diferentes grupos de trabalho, previamente definidos em conjunto com o docente titular.

Ao longo das sessões, são sugeridos os TEF (Trabalho Em Família) com vista ao envolvimento estreito das famílias nas dinâmicas promovidas, bem como feito o balanço / satisfação da sessão por parte dos alunos.

Por último, é enviado um questionário de avaliação do programa aos professores e encarregados de educação, para posterior análise e tratamento.


“VAMOS CONHECER-NOS MELHOR” 

Promover o heteroconhecimento entre todos os intervenientes nas sessões. Estimular o sentido de pertença ao grupo. Dar a conhecer as regras de funcionamento das sessões.


“VAMOS AJUDAR EM MOMENTOS DIFÍCEIS”

Promover a capacitação de estratégias de gestão de comportamentos adequados (Técnica da Tartaruga – acalmar, e Técnica da Molly – ignorar)


“COMO ME VEJO”

Promover o autoconhecimento de características pessoais, físicas e de personalidade, que constituem o indivíduo.


“O QUE SENTIMOS?”

Identificar e reconhecer as emoções e as suas componentes.


“COMO SENTIMOS?”

Identificar as diferentes expressões faciais relativas às diferentes emoções.


“QUANDO SENTIMOS?”

Identificar a emoção presente numa situação-problema.


“O QUE FAZEMOS?”

Promover estratégias de gestão emocional.


“EU E O OUTRO”

Definir e caracterizar os três principais estilos de comunicação, potenciando a adoção de um estilo de comunicação eficaz.


“EU COM O OUTRO”

Definir o conceito de conflito. Capacitar os alunos para a utilização de estratégias adequadas, à resolução de conflitos, assentes numa atitude empática.


” A MINHA OPINIÃO CONTA, EU SOU CAPAZ!”

Avaliar o grau de satisfação dos alunos, professores e famílias, sobre o Programa CRIANÇA A SER. Valorizar a participação de todos e de cada um.